Aumentar a produtividade geralmente está entre as prioridades de qualquer empresa. E em tempos de transformação digital, otimizar a performance dos desenvolvedores se tornou primordial. Porém, um estudo* divulgado pela Stripe em parceria com a Harris Poll, com mais de mil desenvolvedores e mil executivos C-Level de cinco países, aponta que esses profissionais passam 40% da sua jornada semanal lidando com problemas de manutenção, como depuração e refatoração, além de correção de “código mal escrito”. Segundo a pesquisa, o impacto disso equivale a quase US$ 85 bilhões em custo de oportunidade perdido anualmente em todo o mundo, de acordo com os cálculos sobre o salário médio do desenvolvedor por país.

Para ajudar as empresas a superarem esse desafio, a Impulso aposta na formação de times de tecnologia autônomos (Remote Squads) aliada à cultura ágil, como meio para alcançar eficiência e qualidade na gestão de projetos e desenvolvimento de produtos.

“Hoje, a Impulso possui mais de três mil profissionais multidisciplinares com experiência em todas as etapas de desenvolvimento de software. Essa rede não para de crescer, assim como nossos investimentos em mentoria e aperfeiçoamento constante desses profissionais. Isso é essencial para que nossos clientes sejam produtivos e altamente competitivos”, explica Rafael Miranda, Diretor de Comunidades da Impulso.

Falta de profissionais qualificados preocupa executivos

O estudo aponta ainda que, para os executivos do alto escalão das empresas, a falta de talentos para desenvolvimento é uma das maiores ameaças potenciais aos seus negócios (61%). Essa preocupação aparece na quarta colocação da lista dos principais temores dos empresários, sendo que as primeiras são relacionadas às atividades ligadas aos profissionais de TI: segurança/violação de dados (66%), crescimento das regulações (62%) e ruptura da indústria de tecnologia (62%), em primeiro, segundo e terceiro lugar, respectivamente.

“Acreditamos que esse estudo mostra um retrato real da situação de muitas empresas. Inovar requer talentos capacitados, que acompanham a evolução do mercado, são flexíveis a mudanças, têm agilidade e estão engajados com os objetivos de produtividade e negócios da empresa. É preciso mudar a forma como os times são montados. Escolher profissionais aliando conhecimento técnico e propósito é a chave para formar equipes realizadas e de alta performance”, afirma Rafael Lima, CEO da Impulso.

* O estudo “The Developer Coefcient”, divulgado em setembro de 2018, foi realizado pela Stripe em parceria com a Harris Poll. Foram entrevistados mais de mil desenvolvedores e mais de mil executivos C-Level de empresas nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Singapura.

Sobre a Impulso:

O propósito da Impulso é acelerar a transformação digital no mundo. Para isso, oferece serviços baseados na formação de Remote Squads (times de tecnologia autônomos), que produzem software sob demanda para atender novos projetos ou colaborar com a ampliação de equipes de tecnologia. Inspirada na tendência das organizações exponenciais, o que torna a sua atuação única é a maneira como conecta pessoas, times, projetos e empresas. Sua premissa é alinhar propósito e futuro do trabalho, uma combinação que garante compromisso, qualidade e equipes focadas nas melhores soluções para cada cliente, assim como geram realização pessoal e profissional ao time. Possui uma rede com mais de três mil talentos, que são multidisciplinares em desenvolvimento, design, quality assurance, infraestrutura e gestão. A empresa, que pertence ao Grupo HE:labs, tem em seu portfólio grandes corporações como: Sony Music, GE, Kroton Educacional, Somos Educação, Citrix, Locaweb, ESPN e Lojas Americanas.

Para mais informações, acesse:

Site: https://impulso.work/

Twitter: https://twitter.com/impulsonetwork

Facebook: https://www.facebook.com/workimpulso/

LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/impulsowork/

Informações para a imprensa:

Sing Comunicação de Resultados

Postado em: Destaque, Negócios, Releases, Tecnologia