A capacidade de empreender é para aqueles que desejam transformar seu conhecimento em uma ideia real.  São diversos os motivos que levam um empreendedor a optar por esse caminho e a idade tem se tornado um fator bastante comum nesta escolha.

Segundo levantamento realizado no início do ano pela empresa Data Popular, existem aproximadamente 1,5 milhão de jovens empreendedores no Brasil com faixa etária entre 16 e 24 anos, sendo que cerca de 22 milhões de jovens planejam ter no futuro o seu próprio negócio.

Mas será que esses jovens empreendedores estão preparados profissionalmente e psicologicamente para dar um passo tão grande? É preciso muito mais do que a coragem para arriscar. A falta de planejamento antes de abrir o próprio negócio é uma das maiores falhas dos novatos que estão entrando no mercado e pode levar à falência.

De acordo com pesquisa realizada por Shikhar Ghosh, professor da Harvard Business School, três em cada quatro startups que tiveram investimento de capital de risco não sobrevivem ao mercado nem dão retorno aos seus investidores. A pesquisa portanto contesta os dados sempre positivos divulgados pelos investidores-anjo, afinal o levantamento foi realizado com mais de duas mil empresas, durante seis anos, com aportes abaixo de 1 milhão de dólares. Motivados por essa realidade distorcida que muitos dos jovens criam startups e tendem a fracassar a longo prazo.

O que podemos observar é que a falta de experiência no mercado profissional leva a geração Y, como são conhecidos os nascidos da década de 80 para cá, a pensar somente a curto prazo. Eles já ingressam neste setor desejando conquistar a independência financeira e, consequentemente, aumentar a sua renda, quando na verdade, primeiro é necessário prever e identificar quais serão os pontos fortes e fracos de um possível negócio.

Uma gestão empresarial bem pensada foca-se em pontos-chave para atingir o sucesso. E a pesquisa de campo é primordial para fundamentar qualquer ideia que possa surgir no universo do empreendedorismo. Quais serão os custos e investimentos da empresa? Quais são as tendências do mercado e os possíveis concorrentes? Existe demanda de consumo para o que se deseja propor? Enfim, esses são apenas alguns fatores que precisam ser organizados. Se pensarmos mais a fundo, ainda terão questões como o regime tributário para abertura de um negócio e se os profissionais da equipe têm o know how suficiente.

Será que diante desse cenário quem tem mais idade prepara-se melhor antes de empreender? Bom, o que podemos afirmar é que o acúmulo de bagagem profissional será um grande diferencial para os futuros empreendedores. É preciso estar preparado caso o negócio não saia como o planejado. E ter idade mais avançada também acarreta em mais responsabilidades, tanto pelo lado pessoal, como o sustento de uma família, quanto o profissional, o que levará o empreendedor a analisar muito mais os prós e contras antes de arriscar-se a fundo em um novo negócio.

Esses empreendedores mais velhos e com uma carreira profissional maior serão mais criteriosos e cuidadosos antes ingressar em algo que não lhe traga tanta estabilidade e confiança. Já os jovens, que não têm tanto a perder por possuírem o benefício do tempo, ousam mais nesse quesito e assumem os riscos do ato impensado.

O empreendedorismo consiste muito mais na preparação do negócio e conhecimento do mercado, do que no simples fato de abrir o negócio próprio. É preciso agregar valor, planejar e desenvolver habilidades. Além de colocar tudo em prática, fator crucial para o tão sonhado sucesso.

* Claudio Gandelman é fundador e CEO do Teckler, rede social que remunera os internautas pelo conteúdo produzido.

 

 

 

 

Postado em: Mídias Sociais, Releases