O ano de 2017 tem sido bastante movimentado para os trabalhadores brasileiros. A taxa de desemprego no país atingiu no último trimestre, 12,7 milhões de pessoas. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), esse número vem caindo mês a mês, porém, o índice ainda é o maior desde 2012 para o período de agosto a outubro.

Além disso, as várias mudanças na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), fazem muitos brasileiros procurarem outras alternativas, seja pela oportunidade de trabalhar com um hobby ou para ganhar experiência em uma nova área além de, claro, complementar a renda. O resultado dessa onda é o crescimento do trabalho freelancer — quando o profissional atua de forma autônoma, prestando serviços para empresas ou outras pessoas —, como fonte de renda.

De acordo com a pesquisa Mercado Freelancer 2017, 77,3% dos brasileiros já atuam como freelancers, oferecendo serviços que vão de consultorias especializadas à assistência técnica. Desses, 37,1% vivem exclusivamente da atividade autônoma. O estudo, que foi realizado pelas empresas Rock Content, 99jobs e We Do Logos, entrevistou mais de 9.500 profissionais de todas as áreas, entre os meses de setembro e outubro.

Os números são promissores: a pesquisa também revelou que 68% dos brasileiros que ainda não atuam como freelancers pretendem oferecer seus serviços de forma independente já em 2018, o que representará um crescimento de 20,1% no total de freelancers ativos no Brasil. O motivo desse interesse é a possibilidade de aumentar a renda, apontada por 59,3% como razão principal.

A área mais procurada pelos aspirantes a freela é a de produção de conteúdo, com 36,1%, seguida pelo marketing digital (24%). O levantamento apontou, no entanto, que 48% das pessoas não sabem por onde começar.

Ingressar na carreira freelancer pode ser uma boa alternativa em tempos de crise.  Cerca de 76% desses profissionais acreditam que terão um aumento considerável em sua renda nos próximos 12 meses.

Perfil do freelancer brasileiro

De acordo com a pesquisa, o freelancer brasileiro médio tem entre 20 e 30 anos e possui um diploma de graduação. Os cursos com maior representatividade são comunicação social, biologia e todas as engenharias.

O principal objetivo desses profissionais é ganhar dinheiro (47,1%), mas 33,4% planejam investir ainda mais em seus serviços autônomos e abrir o próprio negócio em breve.

Acesse o estudo completo no link: http://bit.ly/mercado-freelancer

Sobre as empresas

Rock Content – A Rock Content é a maior empresa de Marketing de Conteúdo do Brasil. Ela conecta empresas que desejam terceirizar a produção de conteúdo de seus sites à freelancers especializados.

99jobs - A 99jobs é uma plataforma de recrutamento que liga candidatos qualificados à empresa ideal levando em conta características do seu perfil profissional e o fit entre as duas partes.

We Do Logos – A We Do Logos é a maior comunidade de designers da América Latina e funciona como um intermediário entre centenas de designers e empresas que desejam criar uma identidade visual para seus negócios.

 

Informações para a imprensa We Do Logos:

Sing Comunicação de Resultados

Postado em: Destaque, Marketing, Releases, RH, Tecnologia