Há uma crise de mobilidade nas megacidades do mundo. Não é segredo que o trânsito na hora do rush é algo insuportável para os passageiros nos centros urbanos. Estima-se que, até 2030, 60% da população mundial viverá nas cidades (5 bilhões de pessoas), um aumento de 10% em relação aos dias de hoje. O crescimento da população urbana levará inevitavelmente a uma elevação nos níveis de trânsito e congestionamento nessas cidades.

Uma Subramanian*

São Paulo é um exemplo perfeito. Um estudo de 2016 do Ibope mostra que os paulistanos passam em média um mês e meio presos no trânsito a cada ano, enquanto os motoristas que usam o carro entre cinco e sete dias por semana gastam em média três horas por dia no trânsito. Um levantamento da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) de 2014 relata que esses enormes engarrafamentos em São Paulo custaram à economia brasileira R$ 69,4 bilhões em 2013, o que correspondeu a 7,8% do PIB metropolitano da época. Sem nenhuma mudança futura, o custo pode chegar a R$ 120 bilhões até 2022.

Além da questão econômica, o tráfego tem um impacto real e prejudicial na saúde das pessoas. Um estudo de 2012 realizado pela Universidade de Washington em St. Louis observou que longos trajetos consomem tempo de exercício físico. Por isso, são associados ao sobrepeso, baixos níveis de condicionamento físico e maior pressão arterial — todos fortes causadores de doença cardíaca, diabetes e alguns tipos de câncer.

Para causar um impacto real e significativo na mobilidade urbana, são necessárias novas soluções radicais. Apresentando a terceira dimensão de transporte: pelo ar.

Algumas empresas estão buscando soluções de longo prazo para viagens aéreas urbanas, incluindo veículos aéreos autônomos, construindo uma rede de pequenas aeronaves elétricas que decolam e aterrissam verticalmente – chamadas de VTOL (Vertical Take-off and Landing). Ainda que partilhemos do interesse por futuras inovações, serão necessários pelo menos mais 5-10 anos para que essas novas tecnologias estejam amplamente disponíveis.

Mas não há nenhuma necessidade de esperar! As viagens aéreas já são uma realidade hoje. Uma solução imediata é alavancar a tecnologia atual e as máquinas – helicópteros – para criar a terceira dimensão. Criamos, por meio da Voom, uma tecnologia de “pooling” que nos permite oferecer o serviço de reservas de helicóptero mais acessível de São Paulo. Nossos passageiros podem voar com custos até 80% menores do que os de serviços de helicóptero tradicionais – o custo aproximado de um serviço de carro particular. Como uma plataforma de reserva de voos, combinamos nossa tecnologia de mobilidade com uma frota existente de veículos aéreos seguros, confiáveis e regulamentados pela Anac. Como resultado, a Voom está democratizando as viagens de helicóptero nas cidades mais congestionadas do mundo, além de estimular um ecossistema que ajudará a viabilizar as cidades verticais do futuro.

Ao operar hoje, a Voom está aprendendo muito sobre o mercado de mobilidade aérea urbana em tempo real. Isso inclui coisas como as expectativas dos clientes, quanto estão dispostos a pagar, as preferências e as necessidades. Também inclui insights sobre os requisitos operacionais do serviço. Para enfatizar isso, estamos aprendendo coisas como quantas bagagens os clientes normalmente carregam, como o clima afeta o serviço, as rotas preferidas, os dias com mais viagens e muito mais. Esse tipo de informação será essencial para o projeto do veículo do futuro, os requisitos operacionais e muito mais, à medida que a próxima interação de veículos for desenvolvida.

É o início da era da mobilidade urbana aérea. E, com a Voom, o futuro já está aqui hoje em São Paulo e na Cidade do México.

*Uma Subramanian é CEO da Voom. Entusiasta aeroespacial, ela é particularmente apaixonada pela mobilidade aérea urbana e a perspectiva de usar o espaço aéreo para aliviar o congestionamento de hoje em dia.

Sobre a Voom

A marca desenvolveu uma plataforma que faz com que os sonhos dos passageiros e viajantes se tornem realidade – sobrevoar o trânsito com um simples toque de um botão. Não é segredo para ninguém que o horário de pico no trânsito é mais que um incômodo para os passageiros. O trânsito custa bilhões de dólares por ano para as economias locais e causa um impacto negativo na saúde das populações. O congestionamento é uma importante questão global que só tende a piorar devido ao grande crescimento populacional. Felizmente, a Voom tem a solução para os dias de hoje – um serviço sob demanda que conecta passageiros a um assento livre em um helicóptero em questão de minutos. A Voom está enriquecendo a rotina de viajantes ao proporcionar uma melhoria em seus deslocamentos diários. A Voom, empresa subsidiaria que pertence à Airbus Helicópteros, foi lançada em 2016, e atualmente está disponível em São Paulo (Brasil) e na Cidade do México (México), e será lançado em outras cidades ao redor do mundo ao longo de 2018 e além. Para saber mais sobre o serviço, visite o site www.voom.flights ou nos siga no Twitter, no Facebook e no Instagram.

Para mais informações:

Sing Comunicação de Resultados

Postado em: Aeroespacial, Destaque, Entretenimento, Releases, Tecnologia