Vazamentos de informação não são novidade e muito menos um caso raro

*Por Cláudio Dodt

No começo de 2021, um megavazamento de dados expôs mais de 220 milhões de informações de brasileiros, incluindo CPF, foto de rosto, endereço, telefone, e-mail, score de crédito, salário e outros dados pessoais. Em um caso mais recente, o LinkedIn, a maior rede profissional da internet, foi acusado de ter exposto de forma indevida os dados de mais de 700 milhões de usuários, o que seria o maior vazamento já sofrido pela empresa.

Mas realmente ocorreu mais um vazamento no LinkedIn?

Conforme reportado pela empresa RestorePrivacy, um cibercriminoso passou a ofertar os dados de 700 milhões de usuários do LinkedIn em um conhecido fórum hacker. A amostra do vazamento, incluía dados de, pelo menos, 1 milhão de pessoas e continha informações como endereços de e-mail, nome completo, números de telefone, endereços físicos, registros de geolocalização, gênero, experiência profissional, detalhes sobre contas em outras redes sociais, dentre outros.

Como a própria página de informações do LinkedIn afirma que a rede social atualmente possui mais de 756 milhões de usuários, podemos estimar que supostamente o vazamento teria afetado 92% dos inscritos. Porém, cibercriminosos não são uma fonte de informação muito confiável, então o próprio time da RestorePrivacy fez uma análise cruzada de parte dos registros contidos na amostra, e aparentemente estes batem com informações de pessoas reais. O que valida que realmente ocorreu um vazamento, certo? Bem, não exatamente.

E como os dados teriam sido vazados?

De acordo com informações obtidas diretamente do cibercriminoso que ofertou os dados, a fonte do vazamento supostamente foi uma falha de segurança na API do LinkedIn, que é uma Interface de Programação de Aplicação rotineiramente usada, por exemplo, para transferir dados entre diferentes sistemas, aplicações ou websites.

Entretanto, em uma declaração oficial sobre o caso, o LinkedIn afirma que nem todos os dados poderiam ter sido obtidos através da API, e que o mais provável é que as informações tenham sido coletadas através de outras fontes como, por exemplo, por meio de técnicas de “Raspagem de Dados”, ou Scraping, que é uma forma sistematizada de se agrupar informações publicamente disponíveis, o que pode ser feito no próprio LinkedIn ou em outras redes sociais e serviços similares.

Scraping não é hacking! Entenda

Partindo do princípio de que os dados foram obtidos através de Scraping, é importante entender um fato simples: não houve hacking, e nesse caso, o LinkedIn não foi invadido por conta de uma falha na sua API.

Quando um usuário compartilha publicamente informações em uma determinada rede social, é razoável presumir que esta pessoa não se importa que esses dados sejam encontrados por outros usuários, afinal é exatamente esse o objetivo, compartilhar informações e ter interações. O que acontece é que ninguém espera que um conjunto de informações – muitas vezes coletadas de fontes diferentes – seja agrupado em um banco de dados muito bem-organizado, fácil de pesquisar, e comercializado em fóruns da darknet e outros locais igualmente nefastos da internet.

E como evitar o Scraping? Primeiro, você precisa entender que qualquer informação publicamente disponível na internet pode ser alvo de Scraping. Não importa se o dado está em uma rede social, em um site pessoal, ou em um arquivo PDF, se a informação é publicamente acessível, ela pode ser coletada e agrupada. É claro, redes sociais como o próprio LinkedIn não compactuam com esse tipo de coleta, pelo contrário, é algo considerado uma violação dos termos de serviço e que trabalham ativamente para evitar que ocorra.

Mas se você não quer ser mais uma vítima do Scraping, existe uma forma bem simples de evitar sua ocorrência: nunca compartilhe publicamente informações que você não gostaria de tornar-se de conhecimento público. Muitas vezes, quando lidamos com questões relacionadas à segurança, especialmente se isso envolve um vazamento, tendemos a esquecer que o próprio usuário tem em suas mãos o poder de evitar situações indesejadas.

No caso das redes sociais, existe a possibilidade de, por exemplo, restringir quem pode ver determinadas informações como o e-mail ou número de telefone, e também é possível limitar as postagens para grupos específicos com outros usuários que já fazem parte da sua rede pessoal. É importante lembrar que isso reduz a possibilidade de Scraping, mas não o evita completamente. Se você não quer correr riscos de uma determinada informação se tornar alvo de uma coleta indesejada, a única saída confiável é não compartilhar.

Por que esses dados coletados de maneira ilegal são tão valiosos?

Independentemente de ter ocorrido um vazamento ou apenas mais um Data Scraping, o conjunto de dados que estava à venda na darknet inclui uma série de informações que cibercriminosos e outros golpistas adorariam obter.

Por exemplo, essas informações poderiam facilitar tentativas de phishing, roubo de identidade, e todo tipo de ataque baseado em engenharia social. Basicamente esse conjunto de dados “vazados” formam um perfil básico de uma vítima e isso efetivamente facilita a execução de diversos ciberataques.

Dessa forma, é importante estar alerta contra possíveis tentativas de golpe, e redobrar a atenção as funcionalidades básicas de segurança que já existem em redes sociais e outros serviços como, por exemplo, habilitar a autenticação multifator.

O LinkedIn pode ser responsabilizado por esse vazamento?

Respondendo de forma direta: não, uma rede social como o LinkedIn não pode ser responsabilizada por um caso de Data Scraping, afinal, como já mencionado, foi o próprio usuário quem decidiu compartilhar publicamente a informação.

É claro, sempre existe a remota possibilidade do cibercriminoso ter falado a verdade, e dos dados terem sido obtidos através de uma falha de configuração em uma API. Neste cenário, sem dúvida, a empresa poderia ser responsabilizada, inclusive nos termos de leis e regulamentações de proteção de dados pessoais como a LGPD e a GDPR.

De toda forma, esse é mais um aviso: segurança e proteção de dados não podem depender exclusivamente do fornecedor do serviço, o usuário sempre tem um papel importante, que muitas vezes acaba sendo fundamental para evitar que os dados jorrem de maneira indesejada pela internet. Da mesma forma que é impossível colocar o gênio de volta na garrafa, é impossível “desvazar” dados.

*Cláudio Dodt é sócio da Daryus Consultoria e especialista e evangelista em Segurança da Informação e Proteção de Dados.

 

Sobre o Grupo DARYUS

Desde 2005 com o propósito de iluminar mentes, proteger pessoas e negócios, por meio de educação e serviços em gestão de riscos, o grupo DARYUS tornou-se referência em consultoria, educação e eventos nos temas: Gestão de Riscos, Segurança de Informação, Cibersegurança, Proteção de Dados (LGPD) e Governança de Tecnologia da Informação (TI). O Grupo é composto por 4 unidades de negócios: 1) A DARYUS Consultoria - especializada em Gestão de Riscos e Cibersegurança, 2) O IDESP - instituto DARYUS de Ensino Superior Paulista - que é líder na formação em GRC, com mais de 30 mil profissionais formados desde 2006, e pioneira na criação dos cursos de pós-graduação em segurança da informação, forense computacional, cibersegurança e continuidade de negócios, 3) A DARYUS Eventos, que tem foco em criar e gerenciar eventos que desenvolvam a comunidade de cibersegurança e gestão de riscos no Brasil, e 4) A DARYUS StartLab, aceleradora de startups focada em Riscos, TI e Cibersegurança. Para saber mais visite: https://www.daryus.com.br/

15/07/2021


Também encontrado em: