Startup de refugiados aprimorou modelo de negócios após aceleração

Com fundadora síria, a startup busca ser oportunidade de renda a refugiados de diversos países

Em 2021, o Ministério da Justiça anunciou que o Brasil tem cerca de 60 mil refugiados. São diversos os motivos que levam uma pessoa ou famílias inteiras a dizerem adeus ao seu país de origem e tentar a vida no Brasil. Começar do zero no mercado de trabalho local é complicado, a língua portuguesa pode ser uma das barreiras, e por isso, a Open Taste resolveu apostar em uma língua universal, a comida. A startup, criada em 2016 por Joanna Ibrahim, refugiada síria, oferece a cozinha e a plataforma para que outros refugiados possam compartilhar da culinária do seu país e alcançar seu sustento.

O projeto começou em 2016, com intenção de venda de ingredientes, mas pivotou – expressão utilizada pelas startups sobre mudança no modelo de negócios – oito vezes até encontrar a forma como a startup poderia se desenvolver no mercado. “Participamos de um processo de aceleração pela Bluefields e foi essencial perceber como poderíamos atrair investimento e pensar como uma startup para que o negócio fosse sustentável, não foi fácil, mas conseguimos”, relata Ibrahim sobre sua jornada empreendedora.

A história da Bluefields, aceleradora de startups, está interligada com a Open Taste; isso porque Joanna fazia parte do time Blue quando começou a despertar para o empreendedorismo, após este momento a Bluefields não só acelerou a Open Taste no seu início, mas investiu no que hoje é mais que uma empresa, é um propósito.

“Conheci a Joanna Ibrahim logo que ela chegou ao Brasil em Vila Velha, no Espírito Santo. Ainda sem falar uma palavra em português, ela me mostrou sua bíblia em árabe e conversamos um pouco em inglês. Meses depois, convidei a Joanna para ser co-fundadora da Bluefields Aceleradora. Ela ajudou a estruturar os programas de validação e aceleração de startups. Os refugiados sofrem com a falta de oportunidades de trabalho: sem conhecidos para indicar, muitas vezes sem diploma validado e com o pouco domínio da língua, não conseguem condições de manter minimamente suas famílias. Foi quando a Joanna começou a utilizar os próprios métodos de inovação da Bluefields para prototipar e validar a Open Taste e ganhar forma de startup,” lembra Paulo Humaitá, CEO e fundador da Bluefields.

A trajetória da Open Taste se transformou como negócio: nasceu como um marketplace de alimentos para imigrantes, foi um restaurante rotativo na House of Food (coworking de cozinhas em Pinheiros), mudou de novo para uma ghost kitchen (restaurante exclusivamente formado por delivery) durante a pandemia e, hoje, possui, não apenas um restaurante físico próprio, como também praticamente um hub de capacitação para refugiados.

“Hoje temos quatro funcionários e um voluntário, nós já impactamos mais de 60 famílias que fazem do Brasil a sua casa. Nossa missão é continuar a empresa contando com nossos clientes e investidores que queiram empreender com propósito,” conclui Joanna sobre os próximos passos da startup.

 

Sobre a Bluefields

Desde 2016 a Bluefields impulsiona startups ao oferecer soluções para as diferentes etapas da jornada: validação, aceleração de startups e inovação corporativa, especialmente nos setores da Convergência Biodigital (agronegócio, saúde e alimentos), Nanotecnologia e Educação. Com mais de 150 startups aceleradas, possui programas como o Sparks para empreendedores iniciantes, e o The Big Bam, para startups mais sólidas que buscam crescer no mercado. Ao acelerar, a Bluefields cumpre a missão de transformar vidas através do empreendedorismo, porque afinal, as startups de hoje são as grandes corporações do amanhã.

Saiba mais em: https://www.bluefieldsdev.com/

Acompanhe a Bluefields nas redes sociais:

Facebook - https://www.facebook.com/bluefieldsdev/

Instagram - https://www.instagram.com/bluefields_aceleradora/

LinkedIn - https://www.linkedin.com/company/bluefields-aceleradora/

YouTube - https://www.youtube.com/channel/UCboDJPDyBJQjb0p3V9SMuvg

 

Sobre a Open Taste

Open Taste nasceu como projeto da Bab Sharki. A história começou em 2016 como uma plataforma de e-commerce, e de lá tivemos várias etapas e mudanças até chegarmos na Open Taste. Em 2017, participamos do maior prêmio de empreendedorismo Hult Prize e fomos selecionados entre 50,000 outras startups do mundo e ficamos entre as 300 finalistas (semifinal). Juntamos a equipe e apresentamos a nossa ideia de um aplicativo “Marketplace dos refugiados”, ainda tínhamos o nome Bab Sharki. No mesmo ano, participamos no VocLab e ganhamos o segundo lugar. Mesmo passando nos desafios, participamos do processo da seleção da Bluefields Development no programa de aceleração “The Big BaM 2017” Neste momento entendemos o maior desafio de agregar um valor para o cliente final e em contrapartida, ajudar os refugiados e imigrantes. Entendemos a necessidade dos refugiados de ter uma estrutura fixa adequada para atuar na área de gastronomia e chegar ao cliente final.

Saiba mais em: https://www.opentastebrasil.org/

Instagram: https://www.instagram.com/opentaste.br/?hl=pt-br

 

Informações para a imprensa:

Sing Comunicação de Resultados

16/08/2021


Também encontrado em: